Oswaldo destaca mudança do Atlético após entradas de Yago e Cazares no clássico

Após um primeiro tempo ruim no Mineirão, o Atlético conquistou grande vitória de virada sobre o Cruzeiro, por 3 a 1, pela 30ª rodada do Campeonato Brasileiro. A mudança de postura do Alvinegro aconteceu após mudança feita pelo técnico Oswaldo de Oliveira. No intervalo, ele sacou Roger Bernardo para a entrada de Yago. Depois, aos 12’, colocou Cazares no lugar de Valdívia. Rapidamente, a equipe, que perdia por 1 a 0, virou o jogo, com um gol de Otero e dois de Robinho.

A entrada do jovem volante foi destacada pelo técnico Oswaldo de Oliveira. O treinador afirmou que tinha pouco conhecimento sobre o futebol do jogador, mas disse que ficou satisfeito pela boa leitura de jogo de Yago, que, em sua opinião, mudou a partida a favor do Galo.

“Hoje, como eu precisava de uma mudança de posicionamento e técnica, eu fiz logo a substituição e foi tudo bem. O Yago é um jogador que conheço muito pouco, tenho informações das pessoas que trabalham comigo e observo muito ele no treinamento, principalmente de quarta para cá, porque perdemos o Elias. Parece que ele fez a leitura e durante o treinamento mostrou para mim que tinha condições de entrar e fazer o que ele fez, inclusive ele fez uma boa leitura do jogo hoje e, para mim, ele mudou o jogo. Começou pressionando os volantes do Cruzeiro, à medida que o segundo tempo foi desenvolvendo. Quando fizemos o gol, e por um lance muito fortuito fizemos o segundo, olhei para ele e o Yago já tinha feito a leitura, que o Cruzeiro viria pra frente e ele teria que segurar um pouco seus avanços. Fico muito feliz de contar com ele”, disse.

Mas qual tipo de orientação dar a um jogador que está no banco de reservas e vai entrar em campo num clássico com o resultado adverso? Oswaldo de Oliveira explica o que disse a Yago, Cazares e Clayton.

“Sempre digo para meus jogadores o seguinte, quem está no banco, e falo isso no treinamento, quando entra é pra decidir, não importa se for 10, 20 ou 45 minutos, tem que entrar para decidir o jogo, eu não posso trocar um jogador e ele não me oferecer nada de volta. Ao invés de 90 ele vai correr 30, 25, então tem que dar nesse tempo o que ele puder. E tanto o Cazares quanto o Clayton também fizeram isso, porque muito pelo Yago e pelos dois, e muito, principalmente, pelo Robinho, o Atlético venceu a partida”, completou.

A atuação de Cazares foi destacada por Oswaldo de Oliveira. Conhecido por ser um jogador que pouco contribui na marcação, o equatoriano ajudou a dupla de volantes no combate aos celestes e ainda deu a assistência para o terceiro gol alvinegro.

“Tinha orientado ao Cazares que fizesse mais o lado do campo, mas no momento que ele viu que precisava de mais gás, ele e Robinho trocaram de posição, e foi brigar mais no meio-campo, junto com o Yago e o Adílson, o que deu mais consistência à equipe. Nós começamos a retomar a bola em situação de contra-ataque, e foi importante pois temos jogadores hábeis, muito velozes, em uma situação de transição e poderíamos até ter feito o quarto gol”, concluiu.